Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

Silas Siakor dá uma "perspectiva humana" sobre a sustentabilidade

Silas Siakor no base da ONU em Monróvia/Foto Andy Black

 

Nos dias que correm são muitas as conferências e as iniciativas realizadas com o objectivo de abordar a temática da sustentabilidade. Algumas delas com interesse, outras nem tanto... Em muitos casos, as ideias vão-se repetindo ou sendo recauchutadas de orador para orador, sem que isso acrescente valor ao debate.

 

O debate da sustentabilidade passou em muitos casos a ser um tema da "moda" dos países desenvolvidos. Empresários, activistas, políticos, gestores, não há quem queira ficar de fora desta problemática.  

  

Mas, a verdade é que apesar dos esforços, nalguns casos meritórios, admita-se, são raras as vezes em que o debate é feito em toda a sua amplitude. E porquê? Precisamente porque o conceito da sustentabilidade tem sido abordado sob pressupostos existentes apenas nos países desenvolvidos. Por isso, não é de estranhar que este tema tenha sido quase sempre trabalhado numa óptica empresarial ou política. 

 

Ora, em muitas regiões do mundo a ausência de um tecido empresarial forte e de sistemas políticos eficazes inviabilizam qualquer potencial enquadramento do conceito de sustentabilidade debatido nos moldes em que é procurado para países como, por exemplo, os Estados Unidos, França ou Portugal.

  

É nesta lógica que o liberiano Silas Siakor, considerado um dos heróis do ambiente de 2008 pela revista TIME, introduz uma "perspectiva humana" ao debate da sustentabilidade.

 

Para quem está habituado à realidade da Libéria, pouco sentido faz falar em soluções empresarial ou politicamente sustentáveis num país que viveu uma sangrenta guerra civil nos anos 90, provocando mais de 250 mil mortos e milhares de refugiados. 

 

A economia está arruinada e a maior parte da capital Monróvia continua sem abastecimento público de água e de electricidade. Além disso, a corrupção, o desemprego e a iliteracia são autênticas pragas. 

 

Perante este cenário, o grande desafio de Silas Siakor foi desenvolver um conceito de sustentabilidade adaptado à realidade liberiana.

 

 

Silas Siakor a fotografar madeira roubada/Foto Silas Siakor

 

Indo à raiz do problema, Silas Siakor começou por denunciar um esquema fraudulento do então Presidente Charles Taylor, que estava a utilizar empresas fictícias para empregar mílicas, que se dedicavam ao roubo e espancamento de aldeãos e à violação de mulheres. Siakor pôs também a descoberto junto da ONU o financiamento que Taylor estava a fazer à guerra com a exportação de madeira da maior mancha florestal virgem da África Ocidental.

 

O esforço de Siakor levou a que em 2003 a ONU impusesse um embargo à exportação de madeira proveniente da Libéria. As suas acções estão também a servir de prova no julgamento de Taylor no Tribunal Penal Internacional, em Haia.

 

O trabalho de Siakor foi de tal maneira importante que a  Presidente Ellen Johnson-Sirleaf, eleita em 2005, adoptou como política prioritária a protecção da floresta.

 

Silas Siakor percebeu também que ao falar-se de sustentabilidade num país como a Libéria é o mesmo que estar a incentiver as suas gentes a proteger as terras e a defender a maior floresta virgem da África Ocidental.

 

Silas Siakor a receber o The Goldman Environmental Prize em São Francisco

 

Com 38 anos, Siakor está em Portugal a convite da Caixa Geral de Depósitos e do consórcio Green Values do qual o Grupo GCI faz parte, para realizar esta Terça-feira uma conferência na Culturgest. Será certamente um testemunho a não perder, quer pela sua experiência pessoal, quer pela sua "perspectiva humana". 

 

Siakor fundou o Sustainable Development Institude of Liberia e desde 2003 tem estado a trabalhar na Liberian Forest Initiative, liderada pelo Departamento de Estado norte-americano, e no National Forest Service. Em 2006, recebeu o The Goldman Environmental Prize  

 

publicado por Alexandre Guerra às 07:25
link do post | comentar | favorito

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

arquivos

pesquisar

subscrever feeds