Quinta-feira, 26 de Novembro de 2015

Costa chama cega e cigano para o Governo

Bem... não tenho palavras para este título, por isso fica apenas a imagem.

 

CM.png

 

Actualizado às 11:50

E as imagens satíricas começam a surgir...

12278741_1254341421258820_2004118756992025889_n.jp

 

 

publicado por Virginia Coutinho às 11:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 26 de Outubro de 2014

#BoasCapas

Eu teria medo destes fugitivos....

 

fotografia.JPG

 Fotografia partilhada pelo jornalista Pedro Dias.

publicado por Virginia Coutinho às 15:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Grande capa

 

 

A melhor capa do dia. Que foge aos lugares-comuns da palavra e da imagem para assinalar a conquista do 33º título nacional de futebol pelo Sport Lisboa e Benfica. Uma capa que eu gostaria de ter feito, se fosse benfiquista.

Parabéns ao jornal i: no campeonato da inovação o título é dele.

publicado por Pedro Correia às 12:12
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 12 de Março de 2014

Sobre a arte de titular

 

A arte de bem titular está ao alcance de poucos nas redacções de jornais. E é pena: um bom título é fundamental para agarrar o leitor - podendo, em certos casos, agarrá-lo para sempre.

Falo por mim: nunca mais esqueci o título do obituário do Professor Horus, um astrólogo que chegou a estar na moda em Portugal durante as décadas de 70 e 80. Quando morreu, o Diário de Notícias dedicou-lhe um excelente texto necrológico em que revelava facetas desconhecidas da sua biografia, designadamente ter sido praticante amador de pugilismo na juventude. O título era um achado: "O astrólogo que veio do boxe".

Certos títulos fizeram história na imprensa portuguesa. Alguns incorporaram-se até no léxico comum. Eis um deles: "De vitória em vitória até à derrota final", publicado no extinto semanário O Jornal, durante o atribulado mandato de Francisco Pinto Balsemão como primeiro-ministro, num executivo de coligação PSD-CDS, entre 1981 e 1983. Da autoria do chefe de Redacção daquele periódico, Manuel Beça Múrias, desaparecido demasiado cedo. Poucos como ele dominavam tão bem a arte de fazer títulos. Este - que se generalizou ao ponto de se tornar um aforismo dos nossos dias - foi importante também pelo seu carácter premonitório: o governo Balsemão cairia pouco tempo depois.

Hoje predomina a banalidade: muitas peças ficam estragadas com títulos incapazes de ultrapassar o lugar-comum. Quando surge uma excepção a esta regra anoto-a logo, com entusiasmo. Aconteceu-me a 15 de Dezembro, ao ler no El Mundo (em papel, pois na edição em linha lá surgiu um dos habituais títulos deslavados) o obituário de Peter O'Toole: enquanto outros periódicos se rendiam à linguagem formatada, inundada de clichés, o jornal espanhol deslumbrava com uma frase em título que era quase um poema: "Arenas doradas, mirada celeste". 

T. E. Lawrence, o Lawrence da Arábia, haveria de gostar.

publicado por Pedro Correia às 13:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014

Um texto que eu gostaria de ter escrito

Este, assinado por Ferreira Fernandes, um dos melhores colunistas da imprensa portuguesa. Sob o título "Jornalistas sóbrios e manchetes alcoólicas":

 

"Um jornalista tipo CM vai para uma reportagem e salta-lhe ao caminho o advogado da empresa: "Fulano, vamos lá ao nosso exame de deontologia!" O advogado aponta a linha reta feita a giz que o jornalista, de braços abertos, tem de percorrer sem bambolear. Exame conseguido, o jornalista já pode ir fazer, por exemplo, a manchete de ontem do CM: "Pai de Sicrano em fuga por tráfico de droga". Não importa que o Sicrano, de 19 anos, não tenha culpa dos tráficos do pai. Leva com o seu nome, o traje de trabalho (Sicrano é jogador de futebol) e a foto na primeira página. Algumas almas piedosas podem não achar isto bonito, mas o importante, não é?, é que aquela manchete não foi feita por um bêbedo. Um jornal com manchetes alcoólicas, fontes anónimas e jornalistas sóbrios."

 

O pano de fundo da questão é este. E este. Razões suficientes, na verdade, para citar Pessoa, por exemplo através do seu semi-heterónimo Bernardo Soares: "Cada qual tem o seu álcool. / Tenho álcool bastante em existir. / Bêbado de me sentir, vagueio e ando certo. / Se são horas, recolho ao escritório como qualquer outro. / Se não são horas, vou até ao rio fitar o rio, / Como qualquer outro. / Sou igual. E por trás de isso, céu meu, / Constelo-me às escondidas e tenho o meu infinito."

tags:
publicado por Pedro Correia às 15:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 22 de Fevereiro de 2014

Já aí está

Um novo jornal, só na Rede: A Batalha.

publicado por Pedro Correia às 23:44
link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Fevereiro de 2014

O futuro incerto do 'Libération'

 

(capa do Libération de hoje)

 

Quem disse que os jornalistas não devem ser notícia?

publicado por Pedro Correia às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

twitter wall @blog_PiaR

arquivos

pesquisar

subscrever feeds

Visitas ao poleiro