Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013

Por mais milhões gastos em comunicação e marketing, a EDP nunca terá os consumidores do seu lado

A EDP é daquelas empresas que por mais milhões de euros que gaste em estratégias de public relations e de marketing nunca terá os consumidores do seu lado. E porquê? Porque o serviço que a eléctrica nacional presta (até há bem pouco tempo, monopolista) é pago a peso de ouro pelos cidadãos, que se sentem literalmente "explorados" sempre que olham para os inúmeros items da factura. Por mais que a EDP se esforce para surgir aos olhos da opinião pública como uma empresa sustentável e responsável, os consumidores portugueses não embarcam nessa conversa.

 

Primeiro, porque a empresa não proporciona aos consumidores um serviço propriamente diferenciador, em relação àquele que é oferecido por outra qualquer eléctrica do mundo, que justifique os elevados preços praticados em Portugal. Segundo, a EDP é, ironicamente, uma companhia que aposta forte na comunicação e no marketing institucional, mas é desastrosa no contacto directo com o cliente.    

 

Terceiro, os consumidores sabem hoje em dia que estão a pagar muito mais do que a electricidade, efectivamente, consumida. Estão a pagar, na verdade, todos os mecanismos que têm permitido à EDP valorizar-se junto dos mercados e dos accionistas, através de inúmeras operações, muitas delas de retorno duvidoso e que, nalguns casos, estão a alimentar uma "bolha" que um dia poderá rebentar. 

 

A aposta cega nas "renováveis" desprovida de um paradigma energético sustentável, o avarento plano nacional de barragens, fruto de uma relação de interesses entre o Estado e a eléctrica  -- em que os males ambientais e económicos superam claramente as virtudes energéticas --, as inúmeras aquisições comerciais milionárias feitas pela EDP por esse mundo fora, nomeadamente no mercado americano -- e que têm aumentado a dívida colossal da empresa --, criaram a ideia artificial de que a EDP é uma empresa portentosa.

 

Há uma certa elite económica e política, altamente alinhada e comprometida com os "interesses" do Estado, que tem contribuido para esta efabulação, não deixando de enaltecer os grandes feitos da EDP, esquecendo-se daquilo que devia ser o essencial: o consumidor português.

 

E neste ponto é interessante comparar os mercados da energia e o das telecomunicações, sobretudo as abordagens da EDP e da PT/MEO aos consumidores no que à comunicação e marketing diz respeito. É justo dizer que a dinamização do mercado das telecomunicações trouxe benefícios para os consumidores em termos de preço final e de qualidade dos serviços. Alguns desses serviços, aliás, reconhecidos internacionalmente como inovadores.   

 

Por exemplo, se o leitor estiver atento à comunicação e ao marketing dos produtos do universo PT/MEO verá que se centram no preço e nos elementos diferenciadores da marca. São mensagens muito concretas e focadas em produtos para o consumidor. Preços de pacotes explicados ao cêntimo, promoções, serviços, etc.

 

Já a comunicação e o marketing da EDP assentam em mensagens vagas, ideias genéricas, recorrendo-se muitas vezes a conceitos como "responsabilidade" ou "sustentabilidade" e a imagens harmoniosas de idosos, de famílias felizes, de paisagens idílicas, e por aí fora.  Mas, depois de tudo "espremido" não se encontra qualquer oferta concreta de valor acrescido para o consumidor. Mesmo ao nível da comunicação mediática, a maior parte das notícias da EDP prendem-se com a vertente institucional e financeira do negócio (cotação em bolsa, aquisições, fusões, relações com a China Three Gorges, operações de "charme", entre outras) e não com os produtos direccionados para o consumidor, que na verdade não existem. 

 

É uma estratégia que serve um determinado propósito, como já aqui foi referido, mas que se distancia por completo daquela que, por exemplo, foi seguida pela PT/MEO e que proporcionou uma relação bem mais benéfica e próxima com os consumidores. 

 

Alguns analistas começam, agora, a levantar o véu sobre o verdadeiro universo EDP. E quanto ao consumidor, este limita-se a questionar: Se a EDP é uma empresa assim tão grande e inovadora, por que é que isso não se reflecte naquilo que é mais importante, ou seja, energia mais barata para as pessoas?

 

A resposta é simples: a estratégia de gestão da EDP não está focada no bem estar do consumidor, mas sim na satisfação plena dos seus accionistas e investidores. É uma opção aceitável (mas condenada ao fracasso) numa empresa privada, mas imoral numa companhia que cresceu à sombra do Estado e num mercado monopolista.  

 

É por isso que a estratégia de comunicação e de marketing da EDP não visa informar o consumidor do valor acrescido que a empresa lhe possa dar (porque não dá), mas sim criar uma espécie de "distracção" para que seja incutida nas pessoas uma percepção (errada) de que a eléctrica nacional tem muita coisa a oferecer aos seus clientes, quando na verdade não tem nada. Ainda esta Quarta-feira lia-se no Público uma notícia que espelha na perfeição aquilo que é a EDP nos dias de hoje.

publicado por Alexandre Guerra às 15:38
link do post | comentar | favorito (1)
1 comentário:
De Cantinhodacasa a 27 de Setembro de 2013 às 00:36
Muito bom este post, que me deixa com mais tranquilidade face a uma carta que recentemente enviei à EDP a respeito de atrasos de faturas, que não recebi, durante os meses de verão, das inúmeras reclamações.
A solução foi em benefício deles, e não em meu.
A EDP tem o dom de fazer o que quer dos clientes quando é para o seu lado, porque quando é para o lado do cliente, a resposta às reclamações ficam para o dia de são nunca à tarde, como se diz aqui na minha cidade.
Estou tão zangada com eles.
Um ano à espera de uma rsposta EDP/Gás.
Tudo isto junto, já me fez arrepender de não nudar de fornecedor de energia.
Nem sei ainda porque razão este povo ainda não explodiu.
Cumprimentos.

Comentar post

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

twitter wall @blog_PiaR

arquivos

pesquisar

subscrever feeds

Visitas ao poleiro