Quinta-feira, 4 de Agosto de 2011

skills aren't everything

 

O João Villalobos colocou no facebook esta frase de Don Corleone:

 

“A man who doesn't spend time with his family can never be a real man”.

 

Há certas sabedorias que não devemos, jamais, contrariar. Mas, olhando à profissão de public relations, quase que apetece dizer que Don Corleone, embora tenha skills para tal, nunca poderia trabalhar em PR.

 

nota: fica sempre a dúvida sobre que família se fala.

publicado por Rodrigo Saraiva às 12:44
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Ricardo Salvo a 4 de Agosto de 2011 às 17:21
Estás a querer dizer que em PR não há real men?
De Rodrigo Saraiva a 4 de Agosto de 2011 às 18:07
olhóóó spin ;) ... nada disso Ricardo, apenas que é uma actividade que nos "rouba" muito tempo ;)
De Emilio Barzini a 4 de Agosto de 2011 às 18:31
Discordo completamente. Trabalhar em PR não pode, nem deve implicar a atitude de se abdicar da família.

Façamos o exercício: os ROI's da família são os momentos que passamos com ela. Sem ROI's não há fee mensal, nem tão pouco sucess fee, o que pode levar a uma insatisfação prolongada e a que o nosso cliente procure outra agência. A família nao quer apenas receber o clipping, quer um exercício de engagement constante, posicionamento, superação e satisfação. Se não obtivemos os ROI's necessários, o mais provável é entrar em gestão de crise...e vocês sabem o que isso pode significar.

Sabendo nós, os profissionais de PR, das várias fases que compõem a gestão de cliente, seria sensato que fizessemos uma interessante analogia em relação ao mundo empresarial que nos circunda e o seio familiar em que nos inserimos. Não é assim tão diferente.

E se há situações em que há uma monopolização do tempo por parte do mundo laboral- que por vezes se esquece do lado humano dos seus profissionais - temos sempre a hipótese de estabelecer os limites e relembrar-lhe de que somos apenas humanos. Por exemplo, começando uma conversa desta forma...

"I'm gonna make you an offer you can't refuse"


Don Corleane era o melhor no seu ramo - ilícito é certo - mas sabia que a família lhe trazia o equilíbrio necessário para poder ser verdadeiramente feliz e realizado.

Cabe a cada profissional de PR estabelecer o equilíbrio, ou desiquilíbro da balança.

Quero crer que as chefias valorizam também o homem por detrás do profissional. E se não o fazem, o mercado ainda vai aceitando bons profissionais...há mais que uma Famiglia neste mercado.




De Rodrigo Saraiva a 5 de Agosto de 2011 às 10:33
Emilio, muito bom contributo para esta análise. Fantásticas analogias :)

obviamente que cabe a cada um não "arquivar" a sua vida pessoal e familiar. Sou daqueles que valorizam a pessoa por trás do profissional, mas deixe-me que lhe diga que já encontrei vários profissionais, chefias ou não, que não o fazem.

Comentar post

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

twitter wall @blog_PiaR

arquivos

pesquisar

subscrever feeds

Visitas ao poleiro