Quinta-feira, 14 de Outubro de 2010

Word of Mouth - Cátia Domingues

 

Alguém pediu um estágio de Relações Públicas?

 

 

por: Cátia Domingues

ainda aspirante a comunicóloga

 

 

Bem, este será o meu segundo Word of Mouth para este poleiro (sem a conotação negativa usualmente utilizada). O primeiro foi este. E sim, é de facto o meu poleiro porque foi daqui que parti há três meses atrás. Foi através deste blogue que consegui um bilhete de entrada para a Hill&Knowlton.

 

Se olharem com devida atenção para a zona de comentários do post, irão reparar no feedback da Neusa Almeida que numa primeira abordagem se dirigiu a mim como Cláudia e hoje já diz o meu nome na perfeição. Pois é. Ela é hoje a minha coordenadora de estágio e das pessoas responsáveis por me ensinar coisas difíceis como vocabulários de IT e que é possível uma mulher ser 3 em um: mãe, profissional , professora e que, às vezes, ainda se consegue malabaristicamente arranjar tempo para Pilates.

 

O interessante e curioso da questão é que graças a esse post posso dizer que em três meses a minha vida mudou. Mudou porque consegui a tal oportunidade de que falava. Mudou porque dei o primeiro passo da minha carreira. Mudou porque aprendo e aprendi coisas novas. Mudou porque entraram pessoas novas na minha vida. Mudou porque saíram também. Mudou porque acabei uma licenciatura. Mudou porque já possuo uma viatura automóvel e toda a gente sabe o que é a satisfação de ter o primeiro carro. Mesmo aos 23. Mudou porque todos os dias realmente importam. Mudou porque eu mudei.

 

E estou sinceramente grata a todos aqueles que me ensinam e ensinaram. Coisas. Muitas coisas. Essencialmente ensinaram-me a ter orgulho no que faço e a dar sempre 110%. E é desta matéria que os melhores profissionais são feitos.

 

É a minha primeira experiência profissional no mundo das public relations. E o que aprendemos ao longo da formação académica prepara-nos muito pouco para o dia-a-dia de um RP. Acho que a resposta do Rui Calafate, no seu blogue, a esta questão explica muito bem esta problemática. O ritmo oscilante. Clientes. Nós. Jornalistas. Jornalistas. Nós. Clientes. E tudo isto num estado de constante actualização, sincronizados com o mundo. Mas acho que é este gosto, muitas vezes agridoce que nos faz gostar do que fazemos. Porque lidamos com pessoas, para pessoas.

 

Tenho de ser honesta, houve dias em que pensei que não era talhada para isto. Houve dias em que me senti desmotivada. Houve também outros em que me senti no pequeno topo do mundo e que a força realmente estava comigo. Porque este processo de iniciação é tal e qual a entrada numa escola nova. Tudo é novo, as pessoas, o espaço, a matéria. E a integração numa dinâmica já existente é o mais difícil do processo.

Estou hoje extremamente motivada com este mundo da comunicação. Quero continuar a fazer um bom trabalho. Quero marcar a diferença de alguma forma. Quero conhecer coisas, experimentar coisas, fazer coisas. É próprio desta altura da vida, o querer ser tanto em tão pouco tempo.

 

Considero que tenho muita sorte em trabalhar com as pessoas que trabalho e que trabalhei. Elas acreditam em mim e eu vou juntar a minha ambição à ambição comum que é fazermos o nosso melhor para os clientes que representamos.

 

No fundo continuo a ser uma gazela e a savana ainda é a mesma e os leões continuam a ser mais que muitos. Mas a minha pele tornou-se mais rija para me cravarem os dentes em cima.

 

O meu conselho para futuros e actuais estagiários é este: não desanimem, mas também não vivam num estado eufórico-festivo pois o importante é manterem-se atentos. Conservem, ou ganhem, humildade para aprender, porque como vão perceber as coisas não são bem como pensamos. Sejam observadores, muito observadores. Preparem a goela pois algum sapo poderá tentar entrar. Dêem tudo por tudo, mostrem quem são e se no final perceberem que não era bem isto, não tenham medo de mudar. Houve alguém que me deu um conselho de ouro e que o replico aqui: “Sê como uma esponja. Absorve tudo.” E isto é um trabalho ongoing.

 

Posso mandar beijinhos?! Posso?! Aqui vai: Obrigada Rodrigo. Obrigada Hill&Knowlton. Obrigada Marta e Vanessa. Obrigada Web 2.0.

publicado por Rodrigo Saraiva às 09:04
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Neusa Almeida a 14 de Outubro de 2010 às 10:06
Cátia (ou Cláudia para os mais distraídos :)),

Que bom ler este texto passados 3 meses.
Tu criaste a oportunidade, mostraste muita vontade de aprender e deste provas que merecias.

Nem sempre o dia é feito de coisas boas, nem sempre podemos estar sempre a fazer o que mais gostamos, mas acredito que faz tudo parte desta grande aprendizagem e do teu crescimento enquanto pessoa e profissional.

Agora entramos numa nova fase e fico muito contente por continuarmos este projecto.
Espero que sirvas de exemplo a muitos jovens que como tu procuram uma primeira oportunidade e que a saibam aproveitar.

Em nome da Hill & Knowlton, obrigada pelo reconhecimento :)

Neusa
De Rodrigo Saraiva a 14 de Outubro de 2010 às 10:25
Esta história da Cátia e da Hill&Knowlton é um dos melhores exemplos de que o PiaR tem conseguido atingir os seus objectivos.
Um poleiro ao serviço do sector e dos seus profissionais, ou dos pretendentes a.

Parabéns à Cátia e desejos de sucessos profissionais.
E parabéns à Hill&Knowlton pela atenção e disponibilidade.
De Vcorreia Marques a 14 de Outubro de 2010 às 14:13
Fantástico desfecho:)
De Marta Sousa a 14 de Outubro de 2010 às 19:43
Querida Catia,

Fico muito contente pela novidade, estas na melhor escola possivel! Parabens!

Um beijo de Amesterdao,
Marta
De Cátia Domingues a 15 de Outubro de 2010 às 13:21
Obrigada pelo feedback.

Really.

:)

p.s: Um beijinho Martaaaa..espero que esteja tudo a correr bem * A agência morre de saudades tuas fica sabendo :P

Comentar post

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

twitter wall @blog_PiaR

arquivos

pesquisar

subscrever feeds

Visitas ao poleiro