Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Um olhar sobre a nova estrutura directiva do Expresso

A partir desta Segunda-feira o Expresso terá uma nova estrutura directiva, na qual tem à cabeça Henrique Monteiro, apoiado por quatro directores adjuntos: Nicolau Santos, Ricardo Costa, João Vieira Pereira e João Garcia. 

 

Além da habitual mudança de cadeiras entre secções, algo de mais interessante poderá estar a acontecer no Expresso, ou não fosse este o mais importante jornal português, no seio do qual tantas guerras internas pelo poder se deram ao longo dos anos.

 

Como o próprio José António Saraiva dizia, um dos seus maiores feitos enquanto director do Expresso foi ter aguentado tanto tempo os ataques e as conspirações palacianas.

 

PiaR sabe que o clima de confrontação interna está ainda longe, mas parece que começa a verificar-se um cavar de trincheiras que poderá ter como objectivo final o "assalto" à direcção do Expresso. A reestruturação agora anunciada enquadra-se perfeitamente nessa lógica, com a movimentação de "peças" estratégicas no tabuleiro.

 

É preciso relembrar que, internamente, existe a convicção de que Henrique Monteiro não é mais do que uma solução transitória. Uma ideia reforçada com a entrada de Ricardo Costa há uns tempos no Expresso. Até porque a saída de Costa da SIC tem contornos nebulosos, que podem, no entanto, ficar mais definidos se esta situação estiver, eventualmente, relacionada com uma possível subida ao cargo de director do Expresso.

 

Mas, uma das variáveis desconhecidas desta equação são os "alinhamentos" internos. É inquestionável que Henrique Monteiro tem colocado pessoas da sua confiança em vários cargos do jornal, nomeadamente, João Vieira Pereira que, segundo consta nos corredores do Expresso, terá perspectivas de alcançar o lugar cimeiro daquele semanário.

 

O actual director, na eventualidade de ser forçado a um possível afastamento, verá em João Vieira Pereira um nome a promover, sendo que a ascensão metórica deste parece ir de encontro a essa tese. 

 

João Vieira Pereira passa agora a ser um dos quatro directores adjuntos, ficando assim ao nível de Nicolau Santos e de Ricardo Costa, que até aqui eram as duas figuras mais importantes em termos directivos a seguir ao Henrique Monteiro.

 

Porém, seria interessante perceber-se qual o posicionamento de Pinto Balsemão sobre esta matéria, mas para já isso é uma grande incógnita. Dizem que João Vieira Pereira jogará golfe com o dono da Impresa, mas será o suficiente para assegurar o bilhete para o tão ambicionado cargo de director?

 

Por outro lado, Ricardo Costa é efectivamente um rosto com maior notoriedade pública e jornalística (fundamental para um jornal como o Expresso) e que, de certa forma e segundo algumas fontes ouvidas pelo PiaR,  se enquadraria de forma natural na liderança daquele semanário. E neste caso a sua transferência da SIC para o Expresso estaria explicada.

 

Quanto a Nicolau Santos é muito pouco provável que se perfile como um potencial candidato. Também o nome de João Garcia, à luz da informação recolhida pelo PiaR, parece estar fora destas eventuais movimentações estratégicas.

 

publicado por Alexandre Guerra às 07:10
link do post | comentar | favorito

autores

Contacto

piar@sapo.pt

tags

todas as tags

links

twitter wall @blog_PiaR

arquivos

pesquisar

subscrever feeds

Visitas ao poleiro